domingo, 12 de outubro de 2014

Depois de tudo que pasara já não se assustava tanto com aquela inquietação lhe corria tanto os pensamentos que já não conseguia conter o tremor das mãos, os pensamentos e precipitaçoes lhe invadiam a mente incesantemente de forma que lhe deixava confuso em relação a qualquer ação, passou os últimos dias assim, sem saber oq fazer para aquilo parar, a alternativa mais sensata era a desistencia de qualquer esperança. - quanto tempo para o proximo trem que leva ao centro? - percuntou a atendente da bilheteria da estação de trem. Ela procurou numa das relações coladas na parede... - vinte minutos. - ela respondeu. Ele não podia deixar de conter olhar para aqueles olhos, e também não pode deixar de conter os proximos tremores, e aconversa que estava por vir, não fosse aquele dia seria outro, uma hora ia acontecer, e ele já soubera desde o início. as palavras seguintes ainda não eram o golpe final, mas de certa forma agravou ainda mais a certeza de que aquilo não iria dar certo, nunca dera, e ele entendia aquelas palavras.Nos próximos dias não haveriam mais mensagens de bom dia e muito menos as de boa noite, nunca mais chegariam com aquela frequencia, por uma questão de tempo aqueles corações também não bateriam mais com tanta frequencia um pelo outro, sentiria saudades daquilo, sentiria saudades se um dia aquele coração se fosse pra sempre, porque se tratava de uma pessoa sem igual, um algiém mais esperto, bondoso e puro que já conheceu e se cativou. A conversa de certa forma ajudou muito, lha acalmou, lhe deu abrigo, mas lhe entristeceu mais tarde, não de forma avassaladora como fora com os outros, a figura em questão era tão sutil que nem lhe causara tanta dor.Ele sabia que dera o seu melhor, que havia sido paciente, carinhoso, amoroso, gentil, e que nenhuma dessas coisas fizera a mínima diferença. Fez o longo caminho até o ponto de ónibus e alí esperou por muito tempo, pensando naquela situação, pensando que dessa vez não tinha sido tão ruim assim.O seu coração ainda batia com esperanças de ser feliz e ele sabia que não era o fim do mundo, e sentiu que da forma como acabou aquele sentimento de carinho e respeito talvez nunca morreria nele, foi quase como um trabalho de taxidermia abstrata que teria gosto em guardar. Ps: me desculpe se meu melhor não foi o suficiente pra te ter, mas da forma como as coisas foram sempre vou ver com bons olhos. <3

Nenhum comentário:

Postar um comentário